PE. JOSÉ MARIA COLLELL FARGAS

Data de Nascimento:

07/04/1934

Falecimento:

Falecimento: 06/03/2024 (91 anos)

Cidade:

Batatais, SP, Brasil

A dor da perda é uma tempestade que surge no coração, mas as memórias é a luz que guia nossos caminhos na escuridão. No silêncio solene que paira em nossos corações, prestamos uma homenagem monumental ao saudoso Pe. José Maria Collell Fargas, CMF, o verdadeiro emissário do Divino, cuja presença luminosa marcou nossas vidas de maneira indelével. Sua existência foi uma sinfonia celestial, que ressoou além das fronteiras geográficas e dos limites do tempo.

No ano de 2010, já com idade avançada, alquebrado e com algumas situações de saúde, acolheu mais uma destinação dos superiores. Para que tivesse um lugar mais favorável no cuidado de sua saúde, aquele intrépido missionário foi destinado às terras sul-mineiras, para Pouso Alegre. Desejava ardentemente plantar-se ali quando chegasse o fim de sua vida. Todavia, a situação de saúde foi se agravando, sua vida foi definhando e foram precisos cuidados, para que tivesse conforto. Então, foi transferido para Batatais, SP, para ter cuidados específicos. Mas, jamais se esquecera de Pouso Alegre. Às vésperas de celebrar seus 90 anos, em abril de 2024, no dia 06 de março, o céu recebeu um anjo em forma de homem.

Como era seu desejo, seu corpo foi levado para a Paróquia do Imaculado Coração de Maria, em Pouso Alegre, sendo velado e sepultado naquela cidade.

Dados biográficos

Padre José Maria Collell Fargas, CMF, nasceu no dia 07 de abril de 1934, em Santa Eugénia de Berga (Barcelona), filho de Pere e Josefa Collell. Quinto filho dos sete irmãos (dois faleceram prematuramente); uma irmã, religiosa Carmelita de Vedruna (Romana) e o irmão (Joan) foi sacerdote diocesano.

Teve uma infância marcada por anos de turbulências política e religiosa, por causa da perseguição religiosa da época; parece-lhe um sonho e até um milagre ter saído ileso, como depois de uma tempestade pavorosa. Época de pranto, gritos desesperados de mulheres aflitas por causa de seus maridos encarcerados, em meio a bombardeios persistentes… As crianças eram obrigadas a se esconderem em cavernas ou subterrâneos das casas. E colocavam uma espátula de madeira na boca, entre dentes, para não arrebentar seus ouvidos. As igrejas, por toda parte, eram queimadas e logo viravam armazéns de armas e bombas. As pessoas só podiam rezar escondidas em salões ou salas bem fechadas. Todavia, lembrava ainda daquele eco da ladainha mariana: “Ora pro nobis!”

Mais tarde, já com uns cinco anos de idade, a mãe adentrou numa igreja de Vic e escutou, pela primeira vez, aquela prece que chamava à Nossa Senhora: “Verge Santa del Remei”, “Virgem Santa dos Remédios”.

No dia 16 de julho de 1949, festa de Nossa Senhora do Carmo, Primeiro Centenário da Fundação da Congregação, foi um tempo de vivência maravilhosa dos Missionários Claretianos, Filhos do Imaculado Coração de Maria. No dia 07 de maio de 1950, a solene canonização de Santo Antônio Maria Claret, em Roma, com festivas comemorações em Cervera e em Vic.

Ingressou no Seminário Menor Claretiano de Cevera (Lleida), em 1948. A formação do Pré-noviciado, em Barbastro, Huesca (1952-1954), foi uma vivência de proximidade do heroísmo dos nossos mártires claretianos. De 1954-1955, fez Noviciado em Vic. Sua primeira profissão religiosa foi em Vic, aos 16 de julho de 1955. Cursou Filosofia em Solsona, fez Profissão Perpétua em Vic e a Teologia (1959) em Valls (Tarragona). Em 1960, recebeu as Ordens Menores em Valls; as demais Ordens, Subdiaconato, Diaconato e Presbiterado, em 1963.

Em sua carreira, ministrou aulas sobre atualidades (1963-1964), como professor no Seminário Menor, em Llobregat (Barcelona); atuou como capelão no Corpo de Artilharia e no Hospital Militar e Corpo da Infantaria, em Vigo, e confessor das Religiosas Vedrunas (Sant Boi).

Atuou como vigário paroquial e Pároco da Nova Paróquia “Sant Antoni Mª Claret” e como Superior da Casa Claretiana de Solsona. Em 1976, foi destinado ao Brasil, e, em 1977, foi enviado a Itapaci-GO, Paróquia Coração de Maria, onde exerceu a função de Administrador paroquial em regiões missionárias, como em Hidrolina, Santa Terezinha, na Paróquia Nossa Senhora do Seringueiro, na Paróquia São Francisco de Vila Nova, em Goiás e Vigário Paroquial na Paróquia Sant Aquino, em Barcelona. Em 1986, de volta ao Brasil, foi Vigário da Catedral de Uruaçu. Em 1986, novamente residente na comunidade Claretiana de Itapaci. Em 1987, atuou como Vigário Paroquial de Itapaci, Hidrolina e Santa Terezinha de Goiás. Em 1988, celebra bodas de prata sacerdotais, em Pilar de Goiás. Em 1992, participou de retiro internacional de sacerdotes, em Monterrey, no México. No mesmo ano, em Roma, participou da Beatificação dos Mártires Claretianos de Barbastro. Em 1993, foi vigário na Paróquia de São Luiz do Norte, GO. Em 1995, é nomeado Vigário Paroquial de Goianésia, GO. E, em 1998, nomeado Superior da Comunidade Claretiana de Goianésia. Em 2005, celebra as bodas de ouro de profissão religiosa. Em 2010, é destinado à Comunidade Claretiana de Pouso Alegre. MG. Em 2013, celebra Bodas de Ouro sacerdotais na Espanha e Pouso Alegre, na Paróquia-Santuário Coração de Maria. Depois dessa data, Pe. José Maria residia na Casa Claretiana de Batatais, SP, onde faleceu no dia 06 de março de 2024.

Sua memória, seu legado, sua influência perduram nas almas daqueles que foram abençoados por sua presença. Temos a certeza de que a luz que um dia nele brilhou, nunca apagou seu fulgor e agora permanece iluminando a todos, porque está ressuscitado no Coração de Deus.