A Pastoral Vocacional Claretiana (DVC 78-88)

A Pastoral Vocacional Claretiana visa a promoção e valorização da pessoa humana enquanto ser chamado por Deus, inserida dentro de uma realidade própria e que procura corresponder a esse chamado no modo claretiano de ser e servir a Igreja de Cristo. Por isso, a Pastoral Vocacional Claretiana deve possuir os seguintes aspectos:

 

  1. Eclesial: inserida na pastoral orgânica da Igreja, buscando:

– vocacionalizar a pastoral da comunidade claretiana;

– suscitar nas diversas pastorais uma cultura vocacional;

– conscientizar os leigos de sua responsabilidade de batizados, no que se refere à animação vocacional, considerando importante que os leigos conheçam a proposta vocacional claretiana;

– abrir a pastoral vocacional a todas as vocações suscitadas pelo Espírito Santo, para o enriquecimento da Igreja.

 

  1. Cordimariana: Desde a origem e no decorrer da história da Congregação e de cada vocação missionária, dá-se uma ação eficaz da maternidade espiritual de Maria, através da qual o Espírito nos configura à imagem missionária do Pai. A presença materna de Maria na pastoral vocacional é imprescindível, sendo sempre uma referência na acolhida e acompanhamento das vocações.

 

  1. Claretiana Congregacional: ao suscitar e promover vocações para a Igreja, deve apresentar os traços essenciais do carisma claretiano – o serviço missionário da Palavra, com sua dimensão profética, a urgência evangelizadora, a referência comunitária e eclesial e a identidade cordimariana. Deverá explicitar que a vocação do missionário claretiano pode ser vivida como ministros ordenados (presbíteros e diáconos) e leigos consagrados. É necessário promover uma abertura e disponibilidade universal para toda a Congregação.

 

  1. Sintonizada com a Pastoral Juvenil: apresentando a dimensão missionária claretiana na Igreja, a partir da pastoral juvenil, pode-se imprimir uma proposta vocacional para que os jovens se realizem na Igreja e no mundo. É necessário um bom acompanhamento vocacional, apresentando aos jovens, no momento mais adequado, as diversas vocações da Igreja e da Congregação e fazer a eles uma proposta vocacional mais pessoal, seja claretiana ou não. Sintonizadas, a pastoral juvenil e a pastoral vocacional devem levar com valentia suas propostas e ter a capacidade de acompanhar e orientar o jovem no discernimento progressivo de sua própria vocação e a firmeza na fidelidade a Cristo.

 

  1. Ouvintes e Servidores da Palavra: a proposta vocacional deve estar profundamente sintonizada com a Palavra de Deus que, através da história, não deixou de chamar homens e mulheres para a tarefa construtora de seu Reino. A proposta vocacional deve ser, fundamentalmente, o anúncio da boa notícia trazida por Jesus, que é convite à escuta e à mudança de atitude frente à vida.

 

No sentido evangélico, contemplamos o chamado vocacional ao estilo dos discípulos de Jesus: vivido e assumido como autêntica espiritualidade do seguimento. Portanto, é uma proposta dinâmica, transformadora, criadora e criativa.

 

Entre em contato com a Pastoral Juvenil Vocacional Claretiana: [email protected]

Compartilhar: